Base de dados : FILMOGRAFIA
Pesquisa : ID=023749 []
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Completo]

página 1 de 1


   1 / 1
seleciona
TAMBÉM SOMOS IRMÃOS
Categorias
Longa-metragem / Sonoro / Ficção

Material original
35mm, BP, 85min, 2330m, 24q

Data e local de produção
Ano: 1949
País: BR
Cidade: Rio de Janeiro
Estado: DF


Sinopse
Dois irmãos negros, Renato e Moleque Miro (ou simplesmente Miro) viveram a infância na casa de Sr. Requião, que também adotou duas crianças brancas, Marta e o pequeno Hélio. As limitações aos negros se acentuaram ao fim da infância, transformando-se em verdadeiras humilhações. Renato a tudo se submete, porque ama Marta em segredo e quer terminar seus estudos de advocacia. Ao contrário de Miro que, sem pretensões e estílmulo, abandona o lar e vai viver no morro entre marginais. Renato, compositor nas horas vagas, também nutre grande ternura pelo irmão branco caçula Hélio, que interpreta suas canções. Morando na mesma favela que Miro, Renato se forma em Direito e tem como primeira causa a defesa do próprio irmão, já um marginal detido. Um requintado vigarista, Walter Mendes, se aproxima de Marta e do Sr. Requião para aplicar um golpe. Renato descobre a trama e procura o Sr. Requião para impedir o pior, mas o velho o escorraça alegando ciúme da sua parte. Na noite do pedido de casamento, Renato tenta pela última vez impedir Walter Mendes. Após ríspida discussão e agressão física, Walter Mendes saca um revólver e Renato tenta desarmá-lo, mas a arma dispara atingindo mortalmente o vigarista. Dado os antecedentes, a culpa recai sobre Miro, que imediatamente é preso. Ao saber que o irmão foi detido em seu lugar, Renato se entrega. Hélio, que assistira perplexo ao trágico desfecho, conta a Marta o que presenciou. Mas ele sabe que por ser menor o seu depoimento não terá valor jurídico, e que só ela poderá salvar Renato. Marta reluta, mas acaba depondo a favor de Renato. Ainda traumatizada pelo drama, Marta diz a Renato que nada tem a agradecê-la, pois fez o que lhe pareceu justo e prefere que ele não a procure nunca mais.
Gênero
Drama
Termos descritores
Discriminação; Negro; Crime
Descritores secundários
Homicídio; Justiça
Termos geográficos
Rio de Janeiro - DF
Prêmios
Associação Brasileira de Cronistas Cinematográficos, 1949, RJ, de Melhor Ator para Otelo, Grande..
Revista A Scena Muda, 1949, RJ, de Melhor Atriz para Nunes, Vera.
Produção
Companhia(s) produtora(s): Atlântida Empresa Cinematográfica do Brasil S.A.

Distribuição
Companhia(s) distribuidora(s): U.C.B. - União Cinematográfica Brasileira S.A.

Argumento/roteiro
Argumento: Azevedo, Alinor
Roteiro: Azevedo, Alinor


Direção
Direção: Burle, José Carlos
Assistência de direção: Machado, Roberto

Fotografia
Direção de fotografia: Brasil, Edgar
Cinegrafista: Dusek, George

Som
Direção de som: Coutinho, Jorge

Montagem
Montagem: Noya, Waldemar

Direção de arte
Cenografia: Lounine, Nicolau

Dados adicionais de direção de arte
Decoração: Lopes, Murilo
Maquiagem: Assis, Diva de; Rzepecki, Eric

Música
Música: Panicalli, Lírio
Direção musical: Panicalli, Lírio

Dados adicionais de música
Música de: Burle, José Carlos

Canção
Título: Era uma vez;
Autor da canção: Burle, José Carlos;

Título: Quase nada;
Autor da canção: Burle, José Carlos;

Título: Vida não vale nada, A;
Autor da canção: Otelo, Grande e Almeidinha;

Título: Amapola
Autor da canção: Lacalle

Identidades/elenco:
Otelo, Grande (Moleque Miro)
Camargo, Aguinaldo (Renato)
Nunes, Vera (Marta)
Dória, Jorge (Walter Mendes)
Oliveira, Sérgio de (Sr. Requião)
Rayol, Agnaldo (Hélio)
Valadão, Jece (Garçom)
Souza, Ruth de (Prostituta)
Iorio, Atila (Delegado)
Goulart, Jorge
Murad, Aniz
Labella, Aurora
Coutinho, Belci Moraes
Andrade, Carlos Navarro de
Lemos, Cory
Tarcitano, Esther
Santos, Francisca Souza dos
Paraná, Joziel
Pinto, Jayme
Boa Vista, João
Silva, João
Fernandes, João Santos
Lopes Filho, José M.
Gonçalves, Marina
Magalhães, Nelson
Paladino, Neuza Eloisa
Oliveira, Otávio M.
Celestino, Paulo
Barros, Renato Pereira de
Sinatti, Sophia M.
Augusta, Leonora
Teixeira, Ilena

Conteúdo examinado: S
Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
FCB/FF
JCR/NBC
AV/ICB
CS/FF
FSN/MCB
SA/EMP
Filme Cultura, 40
ALSN/DFB-LM
ALSN/AECB
Fontes consultadas:
ACPJ/I
Observações:
CB/Transcrição de letreiros apresenta nos letreiros iniciais: "<Souza, Ruth de> (T. E. Negro)", que significa <Teatro Experimental do Negro>. <Camargo, Aguinaldo> e <Teixeira, Ilena> também participaram do TEN.
ALSN/AECB informa ser a estréia de <Rayol, Agnaldo> nos cinemas, aos doze anos de idade.




página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Pesquisa avançada   
Pesquisar por : Pesquisa simples   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH powered by WWWISIS