Base de dados : FILMOGRAFIA
Pesquisa : ID=021088 []
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Completo]

página 1 de 1


   1 / 1
seleciona
MÁGOA DE BOIADEIRO
Categorias
Longa-metragem / Sonoro / Ficção

Material original
35mm, COR, 90min, 2.360m, 24q, Eastmancolor, 1:1'66

Data e local de produção
Ano: 1978
País: BR
Cidade: São Paulo
Estado: SP


Certificados
Certificado de Produto Brasileiro LM/199/78, de 20 de junho de 1978.Certificado de Produto Brasileiro: B0500289900000 de 28.06.2005.
Data e local de lançamento
Data: 1978.07.06
Local: Goiânia


Circuito exibidor
Exibido em São Paulo a partir de 28.08.1978, no Art-Palácio, Paissandú (Sala Independência), no Rio Branco (Sala Vermelha), no Majestic, no Vila Rica, no Festival, no Universo, no Senador, no Piratininga, no CIC, no Estrela, no Saturno, no S. Geraldo e no Ouro Verde. Exibido na mesma data em Mogi da Cruzes, no Avenida; em Brasília, no Venancio; em São Caetano do Sul, no Vitória; em Santo André, no C. Gomes; em Campinas, no C. Gomes; em Guarulhos, no S. Francisco; em S. J. do Rio Preto, no Rio Preto e no São José; em Araraquara, no Capri; em Osasco, no Estoril; em Ribeirão Preto, no Centenário e em Rio Preto, no Aquarius.
Sinopse
"A buzina de uma jamanta provoca o estouro do gado conduzido pelo peão Diogo e seu grupo para a fazenda do coronel Quinzinho. Enquanto os homens procuram reunir as reses, os caminhoneiros Chulé e Hércules - que conduzem animais em caminhão - riem de seus esforços. No dia seguinte, o grupo atravessa o arraial onde vive Mariana, prometida de Diogo, e segue para a fazenda, onde o proprietário comenta com Januário, pai de Diogo, ser esta a última boiada conduzida a passo, já que Deoclesiano, dono da frota de caminhões, convenceu-o a usar a rodovia. Dois dos peões de Diogo encontram Chulé e Hércules num bar. Desafiam-nos para o jogo do truco, perdem tudo e vingam-se esvaziando os pneus do caminhão. Enquanto isso, Diogo procura sem sucesso trabalho em outras fazendas da região. Ao ser indagado sobre o paradeiro de Diogo por Mariana, Chulé diz-se amigo do peão. Prontifica-se a levá-la para perto dele, tenta violentá-la no percurso e o caminhão cai num despenhadeiro, ferindo o motorista e matando Mariana. Na fazenda de Quizinho, é organizada a festa de casamento da filha deste, Rosália - que gosta de Diogo - com Deoclesiano. A moça foge, sendo perseguida por Deoclesiano e seus motoristas. Chulé localiza Diogo, persegue-o e na luta - depois de saber da morte de Mariana - Diogo vence. Devolve em seguida Rosália aos pais e parte sozinho e triste. Seus companheiros tomam também rumos diversos, em busca de outros ofícios." (Guia de Filmes, 76/78)
Gênero
Drama
Termos descritores
Música Popular Brasileira; Crime
Produção
Companhia(s) produtora(s): Topázio Cinematográfica Ltda.
Companhia(s) co-produtora(s): E. C. Distribuidora e Importadora Cinematográfica Ltda.
Companhia(s) produtora(s) associada(s): Móbile Cinematográfica
Produção: Raele, Antonio Carlos; Val, Moracy do
Direção de produção: Thomas, Walter
Produção executiva: Raele, Antonio Carlos; Val, Moracy do
Produtor associado: Esteves, Cassiano; Bavini, Sérgio
Assistência de produção: Padui, Roberto; Marinho, Geraldo

Produção - Dados adicionais
Secretaria de produção:

Distribuição
Companhia(s) distribuidora(s): Topázio Cinematográfica; Marte Filmes S.A.

Argumento/roteiro
Roteiro: Barbosa, Benedito Ruy

Estória: Baseado na canção <Mágoa de boiadeiro> de <Vago, Índio> e <Basílio, Nonô>

Direção
Direção: Moreira Filho, Jeremias
Assistência de direção: Bicudo, Dacio
Continuidade: Bagnara, Cleusa

Fotografia
Direção de fotografia: Fernandes, Elizeu
Câmera: Fernandes, Elizeu
Assistência de câmera: Rossi, Luiz
Fotografia de cena: Ribeiro, José Claudio

Dados adicionais de fotografia
Chefe eletricista: Dias, José
Assistente de eletrecista: Dias, Silvio
Maquinista: Pires, Amaro
Auxiliar de maquinista: Gomes, Edson

Som
Técnico de som: Nobile, Pedro Luiz; Moura, Carlos Antônio
Sonografia: Estúdios E.C.

Dados adicionais de som
Som guia: Mota, Moysés Gabriel da

Montagem
Montagem: Correia, Jair
Assistente de montagem: Marinho, Geraldo

Direção de arte
Cenografia: Roreto, Percival
Títulos de apresentação: Oliveira, Jorge

Dados adicionais de direção de arte
Vestuário: Roreto, Percival

Música
Música: Alvarez, Élcio

Canção
Título: Mágoa de boiadeiro;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Héroi anônimo do sertão;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Boiada, A;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Bandeira do Divino;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Sino da capelinha;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Rio de lágrimas;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Adeus de Mariana;
Intérprete: Reis, Sérgio;

Título: Sanfona de minha sogra, A;
Intérprete: Coqueiro, Zé

Título: Boiadeiro beija flor

Locação: Iacanga - SP
Identidades/elenco:
Reis, Sérgio (Diogo)
Coqueiro, Zé (Zé Coqueiro)
Alberto, Carlos (Pé de Vento)
Viana, Maria (Mariana)
Abbas, Eduardo (Chulé)
Rocha, Malu (Rosália)
Duval, Liana (Maria)
David Netto (Quinzinho)
Miranda, Marcos (Deoclesiano)
Ruiz, Turibio (Januário)
Bentinho (Hércules)
Vago, Índio (Gaúcho)
Santiago, Santoni (Mulato)
Luizinho (Periquito)
Costa, Márcio (Tico)
Ferreira, Jacy
Melo, Denoi Vieira de
Berrante, Alceu do
Nelson, Osmar
Martins, Jorge
Martiniani, Sérgio
Padilha, Jesus
Martins, José
Martiniani, William
Povo de Iacanga
[Família Miranda de Olímpia; Santana, José; Nonô; Naná; Odilon; Meirelles, Geraldo; Aristides Jr.]
Participação especial:
Bandeireiros do Divino

Conteúdo examinado: S
Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Cat
Guia de Filmes, 76/78
O Estado de S. Paulo, 27.08.1978
Folha de S. Paulo, 20.08.1978 e 28.08.1978
Site, Ancine, disponível em: http://sad.ancine.gov.br/obrasnaopublicitarias/pesquisarCpbViaPortal/pesquisarCpbViaPortal.seam, acesso em: 16.02.2018.
Fontes consultadas:
ACPJ/II
ALSN/DFB-LM
Observações:
Há nos letreiros iniciais a seguinte informação que, provavelmente, se refere à canção "Mágoa de Boiadeiro": <Edições Arlequim>.
ALSN/DFB-LM indica: <Paduir, Roberto> como assistente de produção; argumento de <Barbosa, Benedito Ruy>; laboratório de som <E.C. Filmes>; acrescenta que o filme é "praticamente uma continuação de <MENINO DA PORTEIRA, O>.




página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Pesquisa avançada   
Pesquisar por : Pesquisa simples   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH powered by WWWISIS