Base de dados : FILMOGRAFIA
Pesquisa : ID=002731 []
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Completo]

página 1 de 1


   1 / 1
seleciona
BRASIL PITORESCO : VIAGENS DE CORNÉLIO PIRES

Outras remetências de título:
O BRASIL PITORESCO
Categorias
Longa-metragem / Silencioso / Não ficção

Material original
35mm, BP, 25min07seg, Viragem e tingimento, 16q

Data e local de produção
Ano: 1925
País: BR
Cidade: São Paulo
Estado: SP


Data e local de lançamento
Data: 1926.01.28
Local: São Paulo
Sala(s): República
Exibição especial: 1926.01.11
Local exibição especial: São Paulo
Sala(s): República


Circuito exibidor
Exibido em São Paulo a 01.02.1926 no Avenida; a 02.02 no S. Pedro; a 03.02 no Triângulo; a 04.02 no Olímpia; a 05.02 no Paraíso; a 08.02 no São Paulo; a 09.02 no Central; a 10.02 no Espéria; a 12.02 no Marconi e Fênix.
Exibido em Curitiba a 27.03.1927, no Mignon.
Exibido em Salvador, no Guarani, segundo jornal A Tarde, 23.05.1927.
Sinopse
Uma viagem de São Paulo a Pernambuco, conhecendo os costumes e as riquezas de uma parte do Brasil. Cornélio Pires não procurou filmar belezas de praças e jardins, riquezas de palacetes ou aspectos da alta sociedade. Fez questão de só filmar aspectos típicos, danças e exercícios de capoeiragem, trabalhos de vaqueiros e hábitos de cangaceiros, em suma: coisas pitorescas do Brasil. Os primeiros quadros são aspectos do centro paulista e uma vista de conjunto da Paulicéia buliçosa e fumegante de chaminés. Vistas de Santos e do Rio de Janeiro. A chegada à Vitória. Na Bahia, tipos e costumes baianos e a festa comemorativa de 02 de julho, data heróica do estado, no Parque Duque de Caxias e na Faculdade de Medicina. As populações lacustres de Alagoas. Os aspectos do São Francisco e a cachoeira de Paulo Afonso. Em Pernambuco, um torneio de capoeiragem com demonstrações de vários golpes. (Baseado em JCB/OESP e Selecta)
Aspectos naturais dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Alagoas. Em São Paulo, o Monumento da Independência; em Santos, vista parcial do litoral, a Bolsa do Café, grupo de pessoas e automóveis trafegando pela praia, navios e pequenas embarcações próximos à orla marítima. No Rio de Janeiro, a Baía da Guanabara, o Pão de Açúcar e vista parcial do litoral fluminense. A chegada em Vitória; de uma embarcação, passageiros avistam o litoral espírito-santense. Na Bahia, o litoral baiano visto por tripulantes de embarcação; destaques para o farol da Barra, o Forte de S. Marcelo e a cidade de Trezentas Torres. Grupo de pedestres, bondes e o mercado; feirantes comercializam produtos "in natura"; canoeiros interagem com a câmera e pescadores exibem pescados; funiculares conduzem passageiros da cidade baixa à cidade alta. Do ponto alto da cidade de Salvador, panorâmica dos arredores baianos; mulher, criança e ama-de-leite descansam ao ar livre. Canoeiro enfrenta maré alta, desembarca na orla e é recebido por Cornélio Pires; no quintal de modesta habitação, dois homens promovem uma rinha de galos. No Recôncavo Baiano, veleiros circundam a costa marítima; panorâmica das cidades de Cachoeira e São Felix. A fábrica de charutos S. Felix. No cais, carroceiro descarrega produtos numa balsa. Em Feira de Santana, boiadeiro conduz manada. Feira do gado e exibição de vaqueiro que laça um boi. Viajantes seguem para a "Zona do Assucar". A estrada de Santo Amaro e a "Igreja do Partido" com sua arte sacra. Num caminho ermo, famílias de ciganos cavalgam em tropa. A cultura de cana-de-açúcar em Ilhéus. O Paço Municipal e a fazenda Boa Esperança, localizada na Zona do Cacau; lavradores colhem, descacam e espezinham o cacau. Destaque para frutas típicas da região: jaca, coco e laranja. Homem exibe cocos e presenteia Cornélio Pires e seus visitantes com a fruta tropical. Mulheres, crianças e mulas carregam a farta colheita de laranja. Em Aracaju, capital sergipana, meninos pescam camarões e mariscos.
Gênero
Documentário
Termos descritores
Cidade; Praia; Comportamento social; Vegetação; Rio; Folclore; Agricultura; Pecuária; Indústria; Artesanato; Embarcação; Horticultura; Comércio
Descritores secundários
Monumento do Ipiranga, São Paulo - SP; Bolsa Oficial do Café; Baía da Guanabara, Rio de Janeiro - DF; Pão de Açúcar, Rio de Janeiro - DF; Farol da Barra, Salvador - BA; Forte de São Marcelo; Cais do Modelo, Salvador - BA; Bonde; Feira Livre; Feira de Água de Meninos; Funicular; Rio Vermelho, Salvador - BA; Canoa; Peixe; Camarão; Galo; Ponte Dom Pedro II, Cachoeira - BA; Fumo; Charuto; Boi; Veleiro; Escola Agrícola da Bahia; Usina Aliança, Santo Amaro - BA; Cana-de-açúcar; Cigano; Pássaro; Cacau; Chácara Girão, Salvador - BA; Laranja; Jaca; Coco; Faculdade de Medicina, Salvador - BA
Termos geográficos
São Paulo - SP; Santos - SP; Rio de Janeiro - DF; Vitória - ES; Salvador - BA; Rio Paraguaçu, Cachoeira - BA; SE; AL; Recife - PE; Rio São Francisco; Cachoeira de Paulo Afonso - BA; Ilhéus - BA; Rio Negro - ES; Parque Duque de Caxias, Salvador - BA
Produção
Companhia(s) produtora(s): América Filme; Indústria Cinematográfica Filmes Paulistas

Distribuição
Companhia(s) distribuidora(s): Indústria Cinematográfica Filmes Paulistas; Pires, Cornélio

Direção
Direção: Pires, Cornélio

Fotografia
Operador: Palácios, José

Identidades/elenco:
Pires, Cornélio

Conteúdo examinado: S
Fontes utilizadas:
CB/Transcrição de letreiros-Doc
CB/Ficha Filmográfica
JCB/OESP
Selecta, 13.07.1927
Fontes consultadas:
FCB/FF
MGV/P, citando O Dia, 27.03.1927
MAM/78
Site, Viola Tropeira, disponível em: http://www.violatropeira.com.br/cornelio20pires.htm, acesso em: 09.04.2010
Observações:
CB/Ficha Filmográfica descreve apenas o material remanescente (a segunda sinopse acima), ou seja, o itinerário de São Paulo a Aracaju. E informa que o filme apresentava originalmente 8 partes.
JCB/OESP informa que o filme foi produzido inicialmente pela <América Filme> (anúncio de 15.09.25) e depois pela <Filmes Paulistas> (anúncio de 18.11.25).
Selecta, baseando-se no jornal A Tarde, informa o circuito exibidor.
Viola Tropeira informa que o documentário foi feito "em colaboração com o cineasta <Gatti, Flamínio de Campos>". Indica também que apesar de <Araújo, Alceu Maynard> datar o filme de 1922, ele foi realizado em 1923, conforme <Veiga, Joffre Martins>. Em carta a <Duarte, Benedito Junqueira> esse autor "diz que a película foi 'rodada em janeiro de 1923, por Flamínio Campos Gatti e pelo próprio Cornélio Pires, focalizando aspectos de Santos, Rio, Bahia e outros Estados do Norte e Nordeste'."
Restaurado pela Cinemateca Brasileira no projeto <Resgate do Cinema Silencioso Brasileiro> / <CEF> - <Caixa Econômica Federal>, 2007-2008.




página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Pesquisa avançada   
Pesquisar por : Pesquisa simples   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH powered by WWWISIS